PAAKAT: Revista de Tecnología y Sociedad

Inteligências artificiais e o problema da consciência

Alexandre Quaresma

Resumen


Uma das maiores dificuldades dos engenheiros e projetistas de sistemas dotados com Inteligências Artificiais (IA) é replicar a faculdade-propriedade da consciência, pois a mente consciente só parece possível em seres biológicos. Nesse artigo, investigaremos como acontece a consciência no mundo biológico, quais as condições necessárias para sua manifestação, correlacionando-a (consciência), enquanto fenômeno genuinamente biológico, com a dificuldade de instanciar inteligências conscientes e intencionais em sistemas cibernético-informacionais complexos e artificiais, o que vale dizer, inorgânicos e não-biológicos. Mais especificamente, referimo-nos a tentar fazê-lo – como defende o cognitivismo ortodoxo e a própria IA forte – em computadores, androides e robôs, por meio de arranjos de IA. Vale destacar que esse problema da consciência se vê intimamente relacionado com problemas que já discutimos em trabalhos anteriores (Inteligências artificiais e o problema da intencionalidade; Inteligências artificiais e os limites da computação), no sentido de que, apenas um sistema ou ser biológico vivo pode ser capaz de possuir essa característica chamada consciência.

 


Palabras clave


Consciência; inteligência; inteligências artificiais; dinâmica cerebral; mente; crítica da tecnologia

Referencias


Basbaum, S. (2018). Tecnoestese e infocgnição: Da ordem dos predicados dos acoplamentos na circunstância contemporânea. São Paulo.

Bergson, H. (1979). A evolução criadora. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Brooks, F. (1986). “No silver bullet – Essence and Accident in Software Engineering”. In Computer Review.

Buzsáki, G. (2006). Rhythms of the Brain. Oxford University Press.

Button, G.; Coulter, J.; Lee, J. e Sharrock, W. (1998). Computadores, mentes e conduta. São Paulo: Editora UNESP.

Changeux, J.-P. e Connes, A. (1995). Matéria e pensamento. São Paulo: Editora UNESP/Cambriedge University Press.

Churchland, Paul (2004). Matéria e consciência – Uma introdução contemporânea à filosofia da mente. São Paulo: Editora UNESP.

Crevier, D. (1996). Inteligência artificial. Madri: Acento Editorial.

Damásio, A. (2015). O mistério da consciência – Do corpo e das emoções ao conhecimento de si. São Paulo: Companhia das Letras.

Damásio, A. (2011). E o cérebro criou o homem. São Paulo: Companhia das Letras.

De Fernandes Teixeira, J. (2010). A mente pós-evolutiva – A filosofia da mente no universe do silício. Petrópolis: Editora Vozes.

Descartes, R. (1979). Discurso do método. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

Dewey, J. (1974). Experiência e natureza. In coleção Os pensadores, São Paulo: Abril Cultural.

Dreyfus, H. (1972). O que os computadores não podem fazer – Uma crítica da razão artificial. Rio de Janeiro: A Casa do Livro Eldorado.

Galimberti, U. (2006). Psiche e techne – O homem na idade da técnica. São Paulo; Paulus.

Henning, B. (2013). Of termites and men: On the ontology of collective individuals. In Beyond Mechanism – Putting life back into biology, orgs: Brian Henning and Adam

Scarfe. Londres: Lexington Books.

Merleau-Ponty, M. (2002). A prosa do mundo. São Paulo: Cosac & Naify.

Minsky, M. (2006). La máquina de las emociones – Sentido común, inteligência artificial y el futuro de La mente humana. Buenos Aires, Sudamericana.

Mithen, S. (1996). A pré-história da mente – Uma busca das origens da arte, da religião e da ciência. São Paulo: Editora UNESP.

Morin, E. (2001). O método 2: A vida da vida. Porto Alegre: Sulina/Meridional.

Nietzsche, F. (1974). Obras incompletas. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

Quintanilla, I. (2012). Techné – La filosofía y el sentido de la técnica. Madri: Common Ground Publishing.

Ravoux, J.-P. (2000). A unidade das ciências – Explicar a natureza e compreender o homem. Lisboa: Instituto Piaget.

Schank, R. e Birnbaum, L. (1995). Aumentando a inteligência. In A natureza da inteligência, Jean Khalfa (Org.) São Paulo: Editora UNESP/Cambridge University Press.

Simon, H. A. (1992). Herbert A. Simon, O computador-rei. In Do caos à inteligência artificial – Quando os cientistas se interrogam, org: Guitta Pessis-Pasternak. São Paulo, Editora UNESP.

Whitehead, A. N. (2009). O conceito de natureza. São Paulo: Martins Fontes.

Wilson, E. O. (1999). A unidade do conhecimento – Consiliência. Seria a ciência capaz de explicar tudo? Rio de Janeiro: Campus.




DOI: http://dx.doi.org/10.32870/Pk.a9n16.349



PAAKAT: Revista de Tecnología y Sociedad, año 10, número 18, marzo - agosto 2020, es una publicación electrónica semestral editada por la Universidad de Guadalajara, a través de la Coordinación de Recursos Informativos del Sistema de Universidad Virtual. Av. La Paz 2453, Col. Arcos Sur, CP 44140, Guadalajara, Jalisco, México. Tels. 33 32 68 88 88 y 33 31 34 22 22, ext. 18775. Dirección electrónica: http://www.udgvirtual.udg.mx/paakat/index.php/paakat. Correo electrónico: paakat@udgvirtual.udg.mx. Editor responsable: Dr. Lázaro Marcos Chávez Aceves. Número de Reserva de Derechos al Uso Exclusivo del Título de la versión electrónica: 04-2011-111117155600-203, e-ISSN: 2007-3607, otorgados por el Instituto Nacional del Derecho de Autor. Responsable de la última actualización de este número: Sistema de Universidad Virtual, José Antonio Amaro López. Fecha de la última modificación: 28 de febrero de 2020.

Las opiniones expresadas por los autores no necesariamente reflejan la postura del editor de la publicación.

Queda estrictamente prohibida la reproducción total o parcial de los contenidos e imágenes de la publicación, sin previa autorización de la Universidad de Guadalajara.