PAAKAT: Revista de Tecnología y Sociedad

Inteligências artificiais e os limites da computação

Alexandre Quaresma Quaresma

Resumen


Muito se tem ouvido falar na atualidade de inteligências artificiais (IA) e máquinas inteligentes, mas muito pouco sobre os limites da computação.  Em suma, por mais que tenham avançado os suportes computacionais – e avançaram de fato –, a computação em si – enquanto processo objetivo e prático – continua a ser limitada por aquilo que pode ou não ser mensurado, representado, e por isso mesmo computado, de acordo com as possibilidades atuais das ciências computacionais existentes, suas contingências, características intrínsecas e indissociáveis de sua própria estruturação interna. Nesse sentido, o objetivo desse artigo é tentar aclarar os possíveis equívocos propalados pelas mídias de massa, e, em última instância, pelos próprios cientistas e entusiastas das IA, a saber: o fato de anunciar-se ‘aos quatro ventos’ a eminência do surgimento de sistemas cibernético-informacionais realmente inteligentes, pretensamente vivos, conscientes de si mesmos e também do mundo que os cercam, algo que, definitivamente, não encontra eco na realidade factual, nem muito menos ainda nos limites atuais da computação. 


Palabras clave


Inteligências artificiais (IA), limites da computação, crítica da tecnologia.

Referencias


BERGSON, Henri (1979). A evolução criadora. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

BROOKS, Frederick (????). No silver bullet. In Computer Review, ?????

BROOKS, Rodney (1991) Intelligence without representation. In Artificial Intelligence 47, Cambridge, MA, USA, 1991.

BUZSÁKI, György (2006). Rhythms of the Brain. Oxford University Press, 2006.

BUTTON, Graham, COULTER, Jeff, LEE, John e SHARROCK, Wes (1998). Computadores, mentes e conduta. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

CHAGEUX, Jean-Pierre e CONNES, Alain (1989). Matéria e pensamento. São Paulo: Editora UNESP/Cambriedge University Press, 1995.

CHURCHLAND, Paul (1988). Matéria e consciência – Uma introdução contemporânea à filosofia da mente. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

CREVIER, Daniel (1993). Inteligência artificial. Madri: Acento Editorial, 1996.

DAMÁSIO, Atónio (1999). O mistério da consciência – Do corpo e das emoções ao conhecimento de si. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

________________ (2009). E o cérebro criou o homem. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

DAVIS, Martin (2006). The Church-Turing Thesis – Consensus and opposition. A. Beckmann et al. (Eds.): CiE 2006, LNCS 3988, pp. 125–132, 2006.

DESCARTES, René, (1979). Discurso do método. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

DENNETT, Daniel (1996). Tipos de mente – Rumo a uma compreensão da consciência. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DREYFUS, Hubert (1972). O que os computadores não podem fazer – Uma crítica da razão artificial. Rio de Janeiro: A Casa do Livro Eldorado, 1975.

GOLDIN, Dina e WEGNER, Peter (2004). The Origins of the Turing Thesis Myth. USA, 2004.

HAGAR, Amit e Korolev, Alex (2007). Quantum hypercomputtion – Hype or computation? USA, 2007.

KOWALSKI, Robert (1979). Algorithm = Logic + Control. In Communications of the ACM, volume 22, número 7, Londre: Imperial College, 1979.

KURZWEIL, Ray (1999). A era das máquinas espirituais. São Paulo: Aleph, 2007.

LE BRETON, David (2006) A Sociologia do Corpo. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2006.

LE BRETON, David (1999). Adeus ao corpo. São Paulo: Papirus, 2003.

MATURANA, Humberto (2014). Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

MERLEAU-PONTY, Maurice (2002). A prosa do mundo. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

MINSKY, Marvin (2006). La máquina de las emociones – Sentido común, inteligência artificial y el futuro de La mente humana. Buenos Aires, Sudamericana, 2010.

MITHEN, Steven (1996). A pré-história da mente – Uma busca das origens da arte, da religião e da ciência. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

MORAVEC, Hans (1988). Homens e robots – O futuro da inteligência humana e robótica. Lisboa: Gradiva, 1988.

MORIN, Edgar (2001). O método 2: A vida da vida. Porto Alegre: Sulina/Meridional, 2001.

_____________ (1996). Complexidade e liberdade. In A sociedade em busca de valores – Para fugir à alternativa entre o cepticismo e o dogmatismo, orgs: Edgar Morin, Ilya Prigogine e outro. Lisboa, Instituto Piaget, 1996.

____________ (1992). Edgar Morin, Contrabandista dos saberes. In Do caos à inteligência artificial – Quando os cientistas se interrogam, org: Guitta Pessis-Pasternak. São Paulo, Editora UNESP, 1992.

NIETZSCHE, Friedrich (1871). Obras incompletas. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural 1974. Primeira edição.

PESAVENTO, Umberto (2000). As implementation of von Neumann’s self-reproducing machine. MIT: Artificial Life 2, 1996.

RAMOS, Marcus Vinicius Midena, NETO, João José, e VEGA, Ítalo Santiago (2009). Linguagens formais – Teoria, modelagem e implementação. São Paulo: Bookman, 2009.

RAVOUX, Jean-Philippe Ravoux (2000). A unidade das ciências – Explicar a natureza e compreender o homem. Lisboa: Instituto Piaget, 2000.

ROSNAY, JOËL DE (1997). O homem simbiótico – Perspectivas para o terceiro milênio. Petrópolis: Vozes, 1995.

SFEZ, Lucien (1995). A Saúde Perfeita – Críticas de uma utopia. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

___________ (2002). Técnica e Ideologia – Uma questão de poder. Lisboa: Instituto Piaget, 2002.

SCHANK, Roger e BIRNBAUM, Lawrence (1994). Aumentando a inteligência. In A natureza da inteligência, Jean Khalfa (Org.) São Paulo: Editora UNESP/Cambridge University Press, 1995.

SIMON, Herbert A. (1992). Herbert A. Simon, O computador-rei. In Do caos à inteligência artificial – Quando os cientistas se interrogam, org: Guitta Pessis-Pasternak. São Paulo, Editora UNESP, 1992.

TEIXEIRA, João de Fernandes (1993). Cérebros, máquinas e consciência – Uma introdução à filosofia da mente. São Carlos : Editora da UFSCar, 1996.

________________________ (1998). Mentes e máquinas – Uma introdução à ciência cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

________________________ (2010). A mente pós-evolutiva – A filosofia da mente no universe do silício. Petrópolis: Editora Vozes, 2010.

TURING, Alan Madison (1936). On computable numbers, with na application to the entscheidungsproblem. USA, 1936.

VON NEUMANN, John. (1966). Theory of self-reproducing automata. Londres: University of Illinois Press, 1966.






PAAKAT: Revista de Tecnología y Sociedad, año 8, número 15, septiembre 2018 - febrero 2019, es una publicación electrónica semestral editada por la Universidad de Guadalajara, a través de la Dirección Académica del Sistema de Universidad Virtual. Av. La Paz 2453, Col. Arcos Sur, CP 44140, Guadalajara, Jalisco, México. Tels. 32 68 88 88 y 31 34 22 22, ext. 18775. Dirección electrónica: http://www.udgvirtual.udg.mx/paakat/index.php/paakat. Correo electrónico: suv.paakat@redudg.udg.mx. Editor responsable: Dr. Lázaro Marcos Chávez Aceves. Número de Reserva de Derechos al Uso Exclusivo del Título de la versión electrónica: 04-2011-111117155600-203, e-ISSN: 2007-3607, otorgados por el Instituto Nacional del Derecho de Autor. Responsable de la última actualización de este número: Sistema de Universidad Virtual, José Antonio Amaro López. Fecha de la última modificación: 31 agosto de 2018.

Las opiniones expresadas por los autores no necesariamente reflejan la postura del editor de la publicación.

Queda estrictamente prohibida la reproducción total o parcial de los contenidos e imágenes de la publicación, sin previa autorización de la Universidad de Guadalajara.